Fé Campeã | IPC ATHLETICS WORLD CHAMPIONSHIPS - DUBAI 2019 PETRUCIO FERREIRA - BRASIL
IPC ATHLETICS WORLD CHAMPIONSHIPS - DUBAI 2019 PETRUCIO FERREIRA - BRASIL

IPC ATHLETICS WORLD CHAMPIONSHIPS - DUBAI 2019 PETRUCIO FERREIRA - BRASIL

17nov2019. O Brasil terminou o Mundial de Atletismo Paralímpico em Dubai na segunda colocação do quadro de medalhas com 14 ouros, 9 pratas e 16 bronzes, sendo a melhor campanha até hoje. A China prevaleceu com 25 ouros, 23 pratas e 11 bronzes.

Petrucio Ferreira dos Santos foi o único brasileiro a conquistar dois ouros neste mundial, vencendo os 100m e os 400m categoria T47.
Nascido e criado no sertão da paraíba, Petrúcio é o atual recordista mundial nos 100m com 10.50 e o último campeão paralímpico dos 100m (Rio 2016), além de conquistar outras duas pratas nos 400m e no revezamento 4x100m.
"Eu gosto de me definir em três palavras: fé, foco e força. A fé em acreditar que é possível. O foco é sempre ter foco e objetivo. E a força de nunca desistir," se apresentar o campeão.
Petrúcio perdeu o braço com um ano e onze mezes, quando o pai moia capim no estábulo numa máquina. O drama foi grande. Ele não se lembra de nada mas tem certeza do propósito do acontecimento em sua vida. "Quando eu comecei a perceber o que tinha acontecido comigo já com meus 14 ou 15 anos eu falava pro meu pai: 'pai, se aconteceu isso comigo é porque Deus tem um propósito, não adianta você ficar triste, porque isso aconteceu. O importante é que hoje eu estou aqui contando essa história. Te admirava desde criança, como estava no trabalho com você, vendo você trabalhar, fui tentar imitar você e acabou que eu coloquei a minha mão na forrageira. E também porque Deus tem esse propósito. Olha hoje eu sou campeão paralímpico, recordista mundial... tudo graças a isso... No dia foi triste, mas hoje é uma grande alegria", explica.
A meta de Petrúcio era se tornar o paralímpico mais rápido do mundo, superando o irlandês Jason Smyth, da classe T13 (baixa visão) que tem a marca 10.46. Neste Mundial, Petrucio conseguiu o feito, batendo 10.42 nas semifinais dos 100m. "Hoje, eu quero mudar mais a visão das pessoas em respeito as pessoas com deficiência. Muitos ainda veem a pessoa com deficiência como coitadinho, tem até vergonha... Uns tem vergonha de andar com pessoas deficientes. Algumas mães ainda tem o preconceito de esconder seus filhos com deficiencia. 'Gente, nós não somos deficientes somos eficientes. Viemos para mostrar ao mundo, que nada é impossível. Não é uma mão, um problema físico que eu tenha na perna, que vai me impedir de alguma coisa. Basta acreditar, que tudo é possível. A deficiência não está na forma física, mas na cabeça de cada um." garante Petrúcio.

Fontes
http://www.olimpiadatododia.com.br/otdentrevista/134152-perfil-petrucio/

Não existem comentários ainda, seja o primeiro a comentar!